Mais uma achega sobre selfies

Olá a todos! Queria apenas partilhar uma breve perspectiva sobre dois dos flagelos mais repugnantes e destrutivos da sociedade. Primeiro: as drogas. As drogas fazem mal. Obrigado e boa noite. Segundo: as selfies. Vou-me estender mais sobre esta segunda porque parece que ainda há muita falta de informação sobre este assunto e ao contrário do consumo de drogas para o qual já existem clínicas de reabilitação, para as selfies ainda não há ajuda profissional disponível. Já tinha dado uma primeira achega sobre as selfies aqui, mas ainda há pano para mangas. 

Então, para quem não sabe o que é uma selfie – uma selfie é basicamente uma foto tipo passe. Dantes íamos ao fotógrafo tirar grupos de 6 ou 8 fotos tipo passe quando precisávamos de um documento qualquer. Agora tiram-se fotos tipo passe para documentar uma coisa qualquer. Dantes era uma seca ir tirar fotos tipo passe, agora parece que é uma seca quem não quer tirar uma selfie a toda a hora. O derradeiro teste a isto é  tirarem vocês ou olharem para uma selfie de alguém jovem com um dos avós: o jovem está com cara de selfie, mas o avô está com cara de fotografia tipo passe, profundamente entediado. Já dizia Duarte Pacheco Pereira, “a experiência é a madre de todas as coisas”.

Duarte_Pachecoselfie
Selfie de Duarte Pacheco Pereira com a sua naifa.

Há dois tipos de pessoas a tirar selfies: as que que tiram uma foto da sua cara e fazem upload para a Internet escrevendo qualquer coisa como “Belo almoço na melhor companhia” (foto na qual só se poderá saber o que foi o almoço se a pessoa tiver uma folha de salsaselfie banheira entalada entre os dentes), e as que tiram uma foto com mais amplitude, captando o que dantes se chamava fotografia de corpo inteiro. O que é giro nisto das selfies de corpo inteiro é que normalmente são tiradas a apontar para o espelho da casa-de-banho. Glamour acima de tudo. Às vezes não sei se estou a olhar para o Facebook ou para o catálogo de azulejos e loiças de wc do Leroy Merlin. Devo dizer aqui que este fenómeno me ajudou a ficar sensibilizado para o triste drama das banheiras. Já quase ninguém tem banheiras, é tudo corrido a polibans. Fica o apelo: ajudem as banheiras a voltar ao seu esplendor – Digam não aos polibans. Passem a mensagem.

As frases que acompanham selfies nas redes sociais também são sempre de dois tipos: o curto e grosso tal como o exemplo acima do “Belo almoço na melhor companhia” ou “Modo casamento” e o tipo poético em que se usam frases como “Algumas vezes coisas ruins acontecem em nossas vidas para nos colocar na direcção das melhores coisas que poderíamos viver” ou “A sua vida só vai para a frente quanto você se desapega das pessoas que te levam para trás”. O engraçado disto é que nunca nenhum dos dois tipos de frases tem a ver com a foto a que estão associadas. A frase “Pedras no caminho? Eu guardo todas. Um dia vou construir um castelo” é intrigante de facto e passa uma mensagem de optimismo bastante consoladora. Associar essa frase ao retrato de uma moça a sorrir com a cabeça inclinada para o lado, sentada numa esplanada de um café, é só deprimente. Além de que é injusto ir ao café e fazer este número só com Pedras e Castelo sem incluir a terceira marca de água com gás, Frize.

super selfie

Finalmente, uma coisa que me causa bastante confusão é as pessoas que vão muito bem a andar na rua e de repente sacam o telemóvel do bolso e tiram uma selfie do nada, muitas vezes ainda em andamento, e prosseguem cruzando caminho connosco como se nada fosse. E isto é confuso porquê? Porque há uns anos, quando eu andava na rua sozinho e vinha um jovem pelo passeio na minha direcção que quando estava prestes a cruzar-se comigo, jogava a mão ao bolso, eu pensava logo “Olha queres ver que este vem com ela fisgada para me assaltar e vai sacar de uma navalha do bolso?!”. Agora quando isso acontece, apenas sacam do telemóvel para tirar selfies. Muitas vezes sinto-me confuso e já não sei se o jovem vai só tirar uma selfie ou se me vai mesmo assaltar. Ou ambos. O que pensando bem até era giro, pelo menos para ele, que poderia publicar no Facebook uma selfie com a legenda “Mais um duro dia de trabalho”.

burglar_selfie

 

Anúncios

Partilhar o que vai no fundo da alma

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s